Viagem ao Rio Grande do Sul, de Auguste Saint Hilaire - Parte VII


Fazendeiros e soldados - Ramirez - Costumes Charruas

A região ao norte do Rio Negro sofreu muito menos com as guerras, embora muitos fazendeiros tenham abandonado a região. Havendo ainda muitos bois soltos ao campo, assim são caçados pelos soldados portugueses, mas a essa altura não importam mais se estão marcados ou não, se compreende que os gados que estiverem sobre a sua propriedade lhe pertence. Esta tropa assegura a paz e proteção que há muito tempo já não havia na região, em troca os fazendeiros locais lhes dão subsistência para se manterem.

O General Saldanha, que comanda a região, é um homem que não aparente mais de 35 anos, muito culto, sabe inglês, espanhol e francês, sendo muito amável e conciliador, sendo um ídolo entre os soldados. Este lhe presenteia com duas avestruzes e dois tigres (pela descrição é um puma e uma onça pintada), estes serão enviados ao museu na França.

Do outro lado de Entre Rios quem comanda é Ramirez, ex-apoiador de Artigas que logo lhe fez guerra, sendo descrito como de má índole e temido até por seus soldados, que frequentemente desertam e chegam até os portugueses pedindo para ingressar nas tropas ou repatriar-se ao seu país. Ramirez vive em paz com os portugueses, embora sem um acordo formal.

Dentre esses desertores incluem os Charruas, e o general relatou que entre esses índios quando um cobiça a mulher do outro vai diretamente pedir, se este negar lutam até a morte e a mulher é o prêmio. Os homens cavalgam, boleiam cavalos e avestruzes sem ter outra atividade. As mulher cuidam da cozinha, da choupana, trançam esteiras, cuidam das crianças e fazem o carpinteiro, espécie de manto, única roupa dos homens. Testemunhou o chefe que tomava mate de braços cruzados enquanto sua mulher segurava a cuia.


Maturrango - Alimentação - Artigas - Guerras

Conhece a palavra "maturrango", denominação dada a quem monta muito mal a cavalo, especialmente europeus. Nas campanhas onde nada se valoriza senão a capacidade de se montar, ser chamado assim é uma grande ofensa, usada para homens detestados, emigrados ou inimigos do país.

No percurso do último dia seus empregados mataram duas vacas, algo em abundância na região, mas depois um negro que o acompanha matou outra e outros mais outra, mas no galpão que o hospedeiro cedera havia muita carne já estocada. Deu-se conta que 3 vacas foram mortas para matar a fome de meia dúzia de peões.

Estes também pescam em todos os rios que passam, sendo sempre com abundância, já que os moradores locais se alimentam apenas de carne boi.

Nesta noite mal conseguiu dormir devido a quantidade de mosquitos e pulgas, que infestam todos os lugares a partir de Montevidéu, especialmente sua carroça. O sono e calor lhe cansam demais, para não sucumbir sobre o cavalo, faz parte do percurso a pé.

Considera que Artigas era um chefe de bandidos que se não fosse a interferência dos portugueses certamente traria mais guerras à Capitania do Rio Grande. Embora os cuidados dos portugueses com esta terra Uruguaia, pouco são recompensados, dando-lhes no máximo carne, vinda do gado solto aos Campos. Talvez os espanhóis-americanos se agrupem novamente e saiam gritando "viva la pátria", assaltando os estancieiros e matando todo gado que ainda resta.


Esta Webserie está sendo veiculada no facebook por Jeandro Garcia e Léo Ribeiro de Souza e sendo reproduzida pelos blogs do Léo Ribeiro e Rogério Bastos.
Fonte: blog do Rogério Bastos

Para ver a parte 1, clique aqui.

Para ver a parte 2, clique aqui.

Para ver a parte 3, clique aqui.

Para ver a parte 4, clique aqui.

Para ver a parte 5, clique aqui.

Para ver a parte 6, clique aqui.
Marcadores: ,

Postar um comentário

[blogger][facebook]

Italo Dorneles

{picture#https://scontent.fcwb2-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/20031980_1559156280771539_4826566830380784332_n.jpg?_nc_cat=0&oh=31056e35fc0ba042b61a3b826bd6d603&oe=5BD0DC01} O editor Ítalo Oliveira Dorneles é gaúcho, natural de Canguçu e hoje residente e domiciliado em Arroio Grande. Advogado, atua nas mais diversas áreas do Direito. Apaixonado pela cultura gaúcha, já participou (como integrante e ensaiador) de diversos grupos de danças e também participou de festivais de declamação. Desde 2008 edita, administra e mantém o PROSA GALPONEIRA. {facebook#https://www.facebook.com/italo.dorneles} {twitter#http://twitter.com/italodornelesrs} {google#https://plus.google.com/+ÍtaloDorneles} {youtube#http://www.youtube.com/c/%C3%8DtaloDorneles} {instagram#https://www.instagram.com/italodornelesrs}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.