Que os festivais andam precários e morrendo à míngua, todos sabemos. Que a verdadeira arte ha muito tempo deixou de ser feita, nós também sabemos, mas a Gauderiada, nessa sua 35ª edição, extrapolou todos os limites do "descaratismo" e não por culpa dos seus organizadores, mas de quem tem o poder da nota e faz dela uma falta de respeito com os demais músicos do Rio Grande do Sul e cuspe na cara de todos nós que vivemos na arte e que fizemos dela uma parte de nossa alma e de nosso sentimento.

Se não gostas do que faço? pouco me importa, porque não faço músicas para músico. Se não tenho o nome que eles tem? também não me importo, porque diferente de todos eles, não vivo de música.

Hoje todos nós somos conhecedores de música e todos, que vivemos no meio, sabemos o que pensam e como pensam a maioria dos músicos que ai estão, muitos deles reclamando nos meios de comunicação da falta de apoio dos governantes e dos órgãos responsáveis, mas como podemos colocar dinheiro publico para os amigos fazerem suas "orgias" musicais à custas do dinheiro do povo?

Como podemos querer a mudança de um Pais, se nos vendemos na arte?

Como podemos dizer para nos filhos que se prostituir é errado, se os músicos prostituem a arte?

Como podemos querer um tempo novo, um Pais novo, uma geração nova, se os formadores de opinião, que estão nos palcos, se vender por merrecas?

Como podemos não querer que entrem os "lixos" musicais do centro do Pais se o que fizemos é prostituição artística, conchavo de amigos e barganhas por minguadas platas?

A cada dia que passa me envergonho mais da forma como estamos fazendo arte nesse estado, e quando vejo o governo fechando instituições fundamentais, e o povo concordando, me dou conta que, o que estamos fazendo para as novas gerações?

A vergonha ou melhor, a falta dela, está tomando conta de nosso estado e a uma das poucas riquezas que nos sobrava, que era a cultura, estas sendo vendida a troco de nada. A iniquidade das pessoas estão fazendo com que tenhamos sim, que parar e repensar o que queremos, pois ha muito tempo que estão mamando na única vaquinha que resta, e infelizmente, mantando a míngua, depois não adianta chorar o leite derramado.

Que pena que a nossa arte tenha ido para esse lado. O maior de todos regulamentos é a consciência de cada um e a história que se pode escrever, boa ou ruim, depende qual lápis queira usar.  Porque para pessoas de caráter, não são necessárias regras e normas, basta um fio de bigode, se bem que ninguém mais usa.

Mas essa é a Minha Opinião.


por Paulo Ricardo Costa
Fonte: blog Entre Mates e Guitarra
Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: