Grid

GRID_STYLE
FALSE
TRUE

Custom Header

{fbt_classic_header}

Últimos chasques

latest

O embuçado do Erval "Mito e Poesia de Pedro Canga"

por Hilton Luiz Araldi Mito e Poesia de Pedro Canga (do livro de Guilhermino César) É quase um mito – Pedro Canga.  A tradição que dele ...


por Hilton Luiz Araldi

Mito e Poesia de Pedro Canga
(do livro de Guilhermino César)

É quase um mito – Pedro Canga.  A tradição que dele ficou, esgarçada, nas cidades das campanhas, apresenta-o como soldado-poeta da Revolução Farroupilha. Afeito à guerra, como às lides do campo; sabendo montar, pealar, improvisar à viola. Sua vida real tem um recorte pouco preciso. Quase não ficou documento escrito sobre sua atividade, que se desenrolou toda em municípios da fronteira, a saber – Erval, Arroio Grande, Jaguarão, Bagé e Alegrete.

Não sabemos, assim, onde estudou, se é que fez estudos regulares. Suas poesias dizem que sim; revelam uma inteligência portadora de cultura incomum entre os habitantes daquela zona, nos primeiros decênios do século XIX. Mas a imaginação romântica insiste em dizer que não. Senta-lhe melhor, com efeito, a fama de “poeta rústico”, de “improvisador inculto”, que, “apenas sabia assinar o nome”.  Da sua destreza, em cima do cavalo, de lança na mão, ficou outra legenda que a história, de um lado, e a tradição oral, de outro, perpetuam.

O mito cresceu, chegou a impressionar a ficção; a falta de documentos contribuiu para isso. Em vez de um homem, o Capitão (ou Major?) Pedro Muniz Fagundes, cognominado Pedro Canga, entrou de esporas pelo romance adentro – encarnando o “monarca das coxilhas” na sua expressão mais pura.
Vejamos este lance em que ele é personagem de ficção:

“Nessas visitas ao posto da invernada costumava ver pelas costas e no fogão do umbu, um Gaúcho às direitas, de melenas caídas ao ombro, barba inteira, sempre de chiripá e esporas nazarenas, às vezes chimarreando, outras, tocando viola e cantando versos alegres, que me pareciam tristes pelo tom dolente das notas. Era mais um choro do que canto a sua cantoria. Não raro o Capitão Mingote atirava-lhe uma quadra já estudada, em desafio, como quem fez um chá-chá! De pelego ao touro empacado; e o trovador se vinha, sem titubiar, respondendo aquela, com floreios de língua; e seguia e seguia cantando no mais, sobre o mesmo assunto, como parelheiro que não para enquanto não chega ao laço da cancha. Pedro Canga era o nome desse cantor afamado corria mundo .”

Ou este outro:

“Entre os presentes estava o poeta dos poetas do Rio Grande, sempre com seu ar estranho de quem anda com um pé no sonho e outro na realidade. Vestido rigorosamente à gaúcha, desta vez de ceroulas de franja por cima das botas de potro, delicadamente lavradas, havia  cuidado bem da sua cabeleira abundante. Era um oficial de quem todos conheciam as proezas; era um campeiros às direitas, mas também um vate, um trovador capaz de prender a atenção na mais fina sociedade” (Felix Contreiras Rodrigues – Piá do Sul – Farrapo – (memórias de um cavalo) pág. 203).

“Passaremos a transcrever umas rimas de um destes bardos rústicos, que fora soldado farrapo, o qual apenas sabia assinar o nome :

Pode do mundo a grandeza
Reduzir-se toda ao nada,
E ver-se toda mudada
A ordem da natureza;
Essa vasta redondeza
Matizada de mil cores
Pode o autor dos autores
Mudá-la em céu de repente;
E desse modo igualmente
Pode o sol produzir flores.

João Cezimbra Jacques, em Ensaio sobre os Costumes do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Gundlach & Comp. 1882.

Mais grave, porém, é a assertiva de que se trata de um “brado rústico”, de um homem que “apenas sabia assinar o nome”. As poesias atribuídas ao embuçado do Erval são bastantes para desfazê-la.

Que trovador inculto, que apenas soubesse assinar o nome, seria capaz de produzir peças poéticas tão adubadas com os ingredientes da poesia clássica, como esta que nos ficou de Pedro Canga?

Ninguém pode fugir,
E se alguém raivoso o encara,
Cupido o arco prepara
Para seu peito ferir,
Te que a seus pés vem cair
Humilhado ao mundo seu.
Plutão mesmo suspendeu
Seus martírios e tormentos,
Té se abrandaram os ventos
No dia em que o amor nasceu.


 Biografia de Pedro Muniz Fagundes – segundo Manuel da Costa Medeiros

“Descendente do tronco dos Munizes, nasceu no Erval Pedro Muniz Fagundes, nos primeiros anos do século passado, ou talvez nos últimos do entepassado. Aprendeu a ler e escrever com o professor Costa Vale, e tanto se distinguiu que, antes de um ano, nada mais teve que aprender com o benemérito mestre.

Pedro Muniz quando entrou para a escola do mestre Vale já era moço, sendo levado  a aprender a ler e escrever pelo desejo de registrar as suas poesias, que produzia verdadeiramente inspiradas e de forma impecável desde menino.

Em 1835 serviu com Silva Tavares, quando rebentou a Revolução, desavisando-se com o seu chefe abandonou-o e refugiou-se no Uruguai. Em 1824 reconciliou-se com Silva Tavares e voltou a pegar em armas. Por esse tempo perdeu dois filhos, mortos em combate, fato que lhe inspirou uma de suas mais perfeitas e sentidas composições poéticas, infelizmente perdida. Constava a sentimental e impressionante composição de vinte e cinco quintilhas, correspondendo cada uma à sucessão do alfabeto, do A ao Z.

Eis a primeira:
Árvores que ouvis meu pranto,
Na medonha habitação
Não deve causar-lhe espanto
Ver-me assim em confusão
Coberto de negro manto.

Violento, satírico, feria os seus desafetos com mordaz veemência. Silva Tavares não escapou das suas terríveis sátiras. Contra ele dardejou uma décima:

Pelos sinais que tu tens
Já se pode ver quem és:
Cola fina, orelhas grandes,
Redondo dos quatro pés.

Pedro Muniz costumava registrar as suas poesias, o qual havia sido extraviado pelos ignorantes e negligentes filhos do poeta, perdendo-se assim a ocasião de glorificar este dileto filho das musas.

Pedro Fagundes, já depois de velho, fez um assassinato e foi processado, preso e condenado a desterro perpétuo para a Ilha de Fernando de Noronha. De lá fugiu e, desembarcando em Pernambuco, fez a travessia até Rio Grande a pé, ocultando-se pelos matos. Já então sua família residia no Arroio Grande, para onde se recolheu o desaventurado poeta, acabando seus dias em casa de um seu filho de nome Sérgio. A princípio vivia meio oculto e logo depois livremente, acobertado pela tolerância que as autoridades lhe concederam.

Era Pedro violento e perigoso, e o assassinato que perpetrou foi cometido num momento de furioso ímpeto. Dispunha de uma força hercúlea que causava admiração aos centauros de seu tempo.
Pedro Muniz Fagundes creio ter morrido pelos anos de 1860 a 1865.”

Obs – Todo o texto foi transcrito do Livro (editado 1968). Portanto, erros de datas, de acentuação, português ou concordância ficam por conta do autor.

Significado de Embuçado - adj (part de embuçar) 1 Que se embuçou. 2 Disfarçado, dissimulado. sm O que tem o rosto oculto.


Fonte: blog do Léo Ribeiro

Nenhum comentário