Grid

GRID_STYLE
FALSE
TRUE

Custom Header

{fbt_classic_header}

Últimos chasques

latest

A análise dos desafios e conquistas do Tema Anual 2018

“Unindo Gerações para Construir o Amanhã: a juventude tradicionalista como maior legado para a construção dos 50 anos do MTG” foi o te...


“Unindo Gerações para Construir o Amanhã: a juventude tradicionalista como maior legado para a construção dos 50 anos do MTG” foi o tema anual que os tradicionalistas escolheram em 2018, durante o 66º Congresso Tradicionalista Gaúcho, realizado na cidade de São Jerônimo.

A proposta foi apresentada pela gestão estadual de prendas e peões e norteou as atividades das regiões tradicionalistas e entidades ao longo do ano. Foram palestras, encontros, rodas de chimarrão e diversas outras oportunidades em que as diversas gerações foram convidadas a, em toda sua tradicionalidade, conviver, refletir, trocar experiências e aprendizados.

Renata da Silva, que foi prenda na Gestão 2017/2018, passado um ano, avalia o saldo como positivo. “Verificamos uma mobilização intensa por parte dos departamentos culturais e é importante salientar que o tema buscou uma retomada de consciência e um maior posicionamento por parte da juventude que vem, desde sempre, fomentando o tradicionalismo organizado”, afirma.

Num primeiro momento, segundo Renata, tradicionalistas não souberam se apoderar, se apropriar do tema, mas rapidamente o processo fluiu quando se deram conta de que ali não existiam regras e que bastava promover o convívio sadio das gerações. “Quando pudemos presenciar lideranças jovens tomando a frente em ações, e os jovens de há mais tempo apoiando, pudemos ter certeza de que o tema estava sendo desenvolvido. Claro que pesou a favor a postura da diretoria do MTG no ano de 2018, promovendo uma maior abertura para a participação efetiva da juventude e garantindo assim que todos pudessem ter voz, não apenas os que ocupavam cargos”, afirma.

Segundo Renata, enquanto em anos anteriores as discussões eram limitadas e, por vezes, inexistentes, por medo ou falta de argumentos, em 2018 todos se apoderaram dos seus papéis de tradicionalistas. “Os mais experientes, inclusive, usaram as redes sociais para criar uma roda de mate virtual e debater assuntos de interesse coletivo do momento atual”. Todas as idades, avalia Renata, fomentaram com mais afinco aspectos culturais regionais, a fim de promover uma linguagem “universal” dentro do Rio Grande do Sul, fazendo do jovem protagonista. “Lideranças jovens foram parar na vitrine, ao invés de serem rechaçadas pela pouca experiência. E isso, por si só, valeu os últimos anos”, garante.

Para Eunice Moser, diretora cultural da 30ª Região Tradicionalista com este tema sendo trabalhado, conseguiu-se fazer as pessoas pensarem e se abriu espaço para os mais experientes trazerem conhecimentos que estavam esquecidos e repassar suas experiências, de como era bom o tradicionalismo puro. “Para o futuro vejo que se não tivéssemos tocado neste tema nossa tradição iria morrer aos pouquinhos. Porque dentro das entidades as pessoas já estavam se fechando para dentro de si, ou seja, a competição estava se sobressaindo, os interesses individuais estavam se sobrepondo às tradições, os jovens só queriam competir e não conhecer mais a nossa cultura”, afirma.

Lucas Oliveira, do CTG Carreteiros da Saudade, de Pantano Grande, na 5ª Região Tradicionalista, cita como grandes conquistas as trocas de experiências e aprendizados, tanto dos mais velhos para os mais novos, quanto vice-versa. “Acredito que todos têm a somar e principalmente em nossas atividades também posso ressaltar que o tema também ajudou a pessoas que já estavam há algum tempo afastada do tradicionalismo a retornar ao ceio de nossa entidade”. A longo prazo, ao seu ver, o tema deveria se manter, “pois toda vez que falamos em tradicionalismo, em CTG, a primeira coisa que vem a nossa mente é a família, o pai, a mãe, os filhos os avós, todos convivendo, vivenciando eventos, bailes, jantares… juntos. Comungando de um mesmo objetivo”.

A longo prazo, sonha Andressa Fernandes, 1ª Prenda da 4ª Região Tradicionalista – gestão 2018/2019, que se possa alcançar o fortalecimento e engajamento de todas as gerações nas futuras atividades, bem como a formação de novos tradicionalistas pensantes e sabedouros da importância de se congregar e aprender com os mais experientes, realizando dia a dia esta troca especialmente dentro das casas de cultura.

Roberta Castilhos, 1ª Prenda do CTG Porteira da Serra, de São Marcos, na 25ª Região Tradicionalista espera que continuemos ouvindo e sendo ouvidos, pois é dando continuidade a esse diálogo mútuo que teremos garantia de sucesso do Movimento. “É nessa construção do bem comum que chegaremos ao centenário do Movimento, fazendo jus ao nosso Hino quando diz Lado a lado, prenda e prendinha / todos juntos dando a mão. / […] Coisa linda é se ver gerações convivendo em santa paz”.

Dificuldades

Na avaliação de Renata da Silva, a maior dificuldade no trabalhar o tema foi o entendimento. “Enquanto os jovens passaram a opinar e idealizar o movimento sem medo e sem vergonha, as gerações mais velhas custaram a entender que aquele era um processo natural da vida em sociedade”. Segundo ela, o grupo recebeu, com alegria, testemunhos de tradicionalistas que puderam sair do anonimato e apresentar ideias e dar frente a ações, pelo simples fato de todos estarem falando a língua do unir gerações, mesmo os que não concordaram com a importância do tema.

Roberta Castilhos enumera como uma das dificuldades ganhar a confiança dos mais experientes para expormos as opiniões e mostrar que também os jovens podemos contribuir para o crescimento do Movimento.

Para Eunice Moser, a maior dificuldade foi mostrar para todas as gerações que as mudanças existem e devem acontecer, sem nunca mudar a essência do tradicionalismo, o que nossos antepassados nos ensinaram e é o que nos norteia. “É segurar um pouco os anseios dos novos para as mudanças que não agregam. Vejo isto como o maior obstáculo”.

Andressa Fernandes avalia que a principal dificuldade foi justamente a integração. Ela cita o exemplo de eventos onde os jovens ficavam em evidência, em contraponto aos mais experientes, e vice-versa. Com o desenvolvimento do tema, na sua opinião, foi possível alcançar e fazer com que todos os tradicionalistas passassem a ver de forma mais clara a real importância desta integração e troca de experiências através de diálogos e dinâmicas.

Por Sandra Veroneze
Fonte: Eco da Tradição

Nenhum comentário