Page Nav

HIDE
GRID_STYLE

Post/Page

Weather Location

Classic Header

{fbt_classic_header}

Header Ad

Últimos chasques:

latest

35 anos sem Glaucus Saraiva

Glaucus Saraiva, ao centro, com Guilherme Schultz Filho(E) e Edson Otto(D)

O tempo passa. E passa rápido. Foi num 17 de julho de 1983, que nos deixava Glaucus Saraiva da Fonseca. Nascido em São São Jerônimo, em 24 de dezembro de 1…


Glaucus Saraiva, ao centro, com Guilherme Schultz Filho(E) e Edson Otto(D)


O tempo passa. E passa rápido. Foi num 17 de julho de 1983, que nos deixava Glaucus Saraiva da Fonseca. Nascido em São São Jerônimo, em 24 de dezembro de 1921, se fosse vivo, estaria fazendo, este ano, 97 anos.

Glaucus foi um poeta crioulo, autor da poesia famosa, Chimarrão, soldado do tradicionalismo, folclorista, historiador, professor, pesquisador, escritor, conferencista, músico e compositor. Foi sócio fundador da Estância da Poesia Crioula e do 35 Centro de Tradições Gaúchas, do qual foi o primeiro patrão. Idealizou e tornou realidade o IGTF - Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore, órgão vinculado a Secretária de Estado da Cultura, instituído pelo Decreto n.º 23.613, de 27 de dezembro de 1974, tendo sido seu primeiro diretor técnico, o Parque Histórico General Bento Gonçalves da Silva, na Estância do Cristal e o Galpão Crioulo do Palácio Pirati, que pelo Decreto Estadual nº 31.204, de 1º de agosto de 1983, passou a chamar-se Galpão Gaúcho Glaucus Saraiva

Foi professor de folclore do curso de Pós-Graduação da Faculdade de Música Palestrina, professor no Curso de Extensão Universitária da PUC (Folclore na Educação) e no SENAC (Culinária Gauchesca e Usos e Costumes do Sul), e conferencista internacional sobre folclore. Presidiu três congressos tradicionalistas: em Santa Vitória do Palmar (1973), Pelotas (1975) e Passo Fundo (1977). Desenvolveu, também, profunda pesquisa sobre os brinquedos tradicionais das crianças gaúchas, promovendo exposições e publicações a este respeito. Formulou a Carta de Princípios do MTG - Movimento Tradicionalista Gaúcho, o mais importante documento para a fixação da ideologia e dos compromissos tradicionalistas, aprovada no 8º Congresso Tradicionalista, em julho de 1961 em Taquara - RS. Autor da nomenclatura simbólica do tradicionalismo.

Publicou ainda os ensaios “Manual do Tradicionalista” e “Catálogo da Mostra de Folclore Juvenil”. Foi vocalista dos conjuntos “Os Gaudérios” e “Quitandinha Serenaders” entre 1950 e 1955, além de atuar na Rádio Farroupilha e Rádio Nacional do Rio de Janeiro, de 1948 a 1955.


Fonte: blog do Léo Ribeiro e blog do Rogério Bastos
Matéria publicada em 17 de julho de 2018, data do sesquicentenário.

Nenhum comentário

Ads Place