Page Nav

HIDE
GRID_STYLE

Post/Page

Weather Location

Classic Header

{fbt_classic_header}

Header Ad

Últimos chasques:

latest

The Voice Kids e o pertencimento, por Ivo Benfatto*

Fato absolutamente fantástico foi protagonizado pelo pequeno grande Thomas Machado, gaúcho de Estância Velha, no alto de seus 9 anos,  ao vencer o programa televisivo The Voice Kids 2017, da rede Globo.  Thomas, em todas suas apr…

Fato absolutamente fantástico foi protagonizado pelo pequeno grande Thomas Machado, gaúcho de Estância Velha, no alto de seus 9 anos,  ao vencer o programa televisivo The Voice Kids 2017, da rede Globo.  Thomas, em todas suas apresentações demonstrou, além de muito talento artístico, sua identidade cultural, vestindo, sempre, bombacha, lenço, guaiaca, que o identificaram,  em rede nacional,  como um guri gaúcho cantor, um brasileirinho que tem orgulho do seu lugar, da sua querência, do seu pago, do seu jeito de ser, que sabe cantar o Rio Grande mas também sabe cantar o Brasil. Assim como Thomas, nós outros, que nascemos  ou que temos o gauchismo como referência,  também temos muito orgulho em nos reconhecermos e sermos reconhecidos  como gaúchos,  uma forma peculiar de sermos, acima de tudo brasileiros, pilchados ou não. Diante de fato tão significativo, que comemoramos e aplaudimos, é momento para algumas reflexões.

A pessoa humana é essencialmente gregária. Portanto, precisa da companhia de outras pessoas para o seu  bem  viver,  o que não é tão fácil, diante da relação da busca de satisfação de vontades individuais na relação com as coletivas,  consideradas prioritárias como  objetivos comuns que unem e  favorecem a coesão interna dos  grupos sociais. Em razão da dualidade individual x coletivo, impõem-se ferramentas sociais que facilitem o convívio intra grupo dos indivíduos que precisam se reconhecer como iguais em direitos, mas também iguais em deveres.

Barbosa Lessa, em 1954, em sua  tese apresentada à plenária o 1º Congresso Tradicionalista “O Sentido e o Valor do Tradicionalismo”, discorrendo sobre as razões do nascente  movimento em sua forma organizada, assim afirmou: “ para que o grupo social funcione como unidade, é necessário que os indivíduos que o compõem possuam modos de agir e de pensar coletivamente. Isto é conseguido através da "herança social" ou da "cultura".e acrescentou:“E graças à Tradição, essa cultura se transmite de uma geração a outra, capacitando sempre os novos indivíduos a uma pronta integração na vida em sociedade.” Portanto,  o pertencer a um grupo social, possibilita aos seus integrantes viverem amparados   por uma cultura social herdada ou assumida livremente. Seus componentes , ostentam orgulhosamente seus símbolos, conhecem e praticam suas ideias, crenças e valores comuns, e valorizam suas  raízes que se somaram e que possuem a mesma importância.

Cora Coralina, nos seu versos magistrais assim afirma “ Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas” . Thomas Machado, com seu cantar, com seu jeito menino de ser  tocou o coração de milhões de brasileiros e deu sentido ao seu jovem viver.

“Em qualquer chão, sempre gaúcho. .Pelo Rio Grande, pelo Brasil”
*Membro do Conselho Estadual de Cultura
Presidente da Comissão Gaúcha de Folclore


Fonte: Blog da Comissão Gaúcha de Folclore

Nenhum comentário

Ads Place