A Semana da Paz foi inspirada pelo evento que culminou com a assinatura da paz entre  farroupilha x imperiais, pondo fim à Guerra dos Farrapos, depois de uma década heróica e de incalculáveis sacrifícios. Foi um final honroso, em que não houve, a rigor, vencedores nem vencidos.

Em meados de janeiro de 1845 Caxias transfere seu quartel general para a localidade de Cerro Frio, à margem esquerda do rio Santa Maria, onde permanece até o final da revolução, enquanto as forças republicanas se encontram, desde 9 de janeiro na imediações de Ponche Verde à margem direita do rio Santa Maria. 

Enquanto Antônio Vicente da Fontoura desenvolvia uma tarefa dificílima para conseguir a pacificação, a emboscada de Porongos, feita por Chico Pedro, ignorando o acordo que estava em discussão e dizimando as forças de Davi Canabarro, era motivo forte para que o próprio Canabarro, Bento Gonçalves da Silva, Antônio de Souza Neto e outros comandantes farrapos, não acreditassem na palavra dos imperiais. 

Instalado, no entanto, por Caxias, em 16 de janeiro Antônio Vicente da Fontoura vai a Santana do Livramento em busca de Davi Canabarro, até que nos últimos dias de janeiro o “verdadeiro Embaixador junto às forças imperiais” consegue a concordância da maioria dos chefes farrapos. 

Há ainda resistência de Antônio de Souza Neto e do próprio Chagas Martins que tentam convencer Manuel Lucas de Oliveira, então responsável pela Presidência da República Rio-grandense a não aceitar o Tratado de Paz nos temos em que vinha sendo discutido.

Em 23 de Fevereiro o exército farrapo transferiu seu acampamento para as coxilhas de Ponche verde, estando presentes quase todos os chefes farroupilhas, a exceção de José Gomes de Vasconcelos Jardim e Bento Gonçalves da Silva e, mais uma vez, Antônio Vicente da Fontoura vai ao encontro de Caxias, na costa do rio Santa Maria. 

Na noite seguinte, 24, Antônio Vicente da Fontoura acertou com todos, os detalhes para a tomada da grande decisão. Paz e liberdade, eram os vocábulos mais comuns entre os revolucionários. 

Em 25 de fevereiro fez-se a Assembleia Geral ali mesmo em Ponche Verde e foi lavrada a ata onde se lê que:... “foi unanimemente resolvido que se ultimasse a Paz sob as condições pactuadas e todas quantas se pudessem mais conseguir do Barão de Caxias...” 

No dia 26 de fevereiro Canabarro transfere seu QG para a lagoa das conchas (último acampamento farrapo) e Antônio Vicente da Fontoura é encarregado de levar a Caxias a documentação comprobatória da decisão dos republicanos, inclusive a ata da Assembleia Geral. 

No dia Seguinte, 27, Canabarro reuniu seus comandados para proceder-se a eleição que escolheria o novo presidente da Província e o resultado foi o seguinte : Luiz Alves de Lima e Silva (Barão de Caxias): 14 votos; Antônio Carlos Ribeiro Machado de Andrade  e Silva: 11 votos ; Manuel Antônio Galvão: 2 votos. 

Então em 28 de fevereiro de 1845, Davi Canabarro, Manuel Lucas de Oliveira reuniram o Exército Republicano e à frente da tropa lançaram suas proclamações, juntamente com a do Barão de Caxias, declaração o fim da Revolução Farroupilha ou da Guerra dos Farrapos.A proclamação de Caxias é datada de 1° de março.


Fonte: blog do Léo Ribeiro
Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: