Chama crioula é conduzida por cavaleiros pelo RS (Foto: Giovani Grizotti/RBS TV))

Centenas de cavaleiros percorrem campos e estradas do Rio Grande do Sul para conduzir a chama crioula, símbolo das comemorações da Semana Farroupilha. Iniciado há 70 anos, o ritual, que começou em Mostardas, no dia 12 de agosto, chega a durar mais de 30 dias em trajetos que podem passar dos 800 quilômetros, dependendo do destino. G1 acompanhou grupo por 24 quilômetros.

Divididos por regiões do estado, os grupos que conduzem a chama realizam um detalhado planejamento, antes de começar a cavalgada. Primeiro, semanas antes, percorrem o roteiro de carro e acertam os locais de acampamento, geralmente em fazendas e centros de tradições gaúchas.

"Sempre antes, um mês, dois antes, vem uma equipe e vai acertando os locais onde vamos pousar, fazer paradas para o almoço", explica o aposentado Mercildo Weber, do grupo Cavaleiros do Planalto Médio, de Passo Fundo, que realiza viagem de 577 quilômetros em 17 dias para levar a chama até a cidade.

O G1 acompanhou o grupo na localidade de Chico Loma, em Santo Antônio da Patrulha. São 43 homens que se revezam em 30 cavalos. No caminho, figueiras centenárias, campos cheios de gado e banhados. Moradores do lugar se encantam e saem para fora das casas para assistir à passagem dos tradicionalistas.

"Adoro, amo de paixão, muito lindo", exclama a dona de casa Eva da Silva, do portão de casa.

Quem não monta no animal, fica na equipe de apoio, que conta com caminhões, ônibus e caminhonetes com reboques, onde são trazidos mantimentos e ração para os equinos.

Os tradicionalistas dormem nos veículos de carga ou em colchões improvisados nos locais de pernoite. O despertar é por volta de 6h, com café da manhã reforçado: frutas, sucos, pão, salame, presunto, café e leite.

"O pessoal gasta muita energia", justifica o cozinheiro do grupo, o aposentado Valmeri Francisco da Silva.

Feita a primeira refeição do dia, chega a hora de encilhar os cavalos. Antes da partida, uma oração. Às 8h, os gaúchos começaram mais uma jornada. No trecho acompanhado pelo G1, a tarefa de conduzir a chama coube ao músico Cristiano Quevedo.

Já a bandeira do Rio Grande do Sul foi levada pelo também músico Érlon Péricles, que aproveitou a cavalgada para gravar cenas de um clipe. A ordem de apresentação dos símbolos é regida por uma lei.

"É a lei federal do posicionamento das bandeiras. Para nós, a chama é considerado o símbolo mais importante, fica ao meio. Depois, a bandeira do Brasil, de 'maior poder', fica à direita, e a do Rio Grande do Sul, à esquerda", explica Airton Timm, responsável por conduzir a bandeira do Brasil.

No caminho, paradas para tomar água e dar um descanso para os cavalos. A parada para o almoço acontece cinco horas mais tarde, no salão da comunidade de Serraria Velha. No cardápio, pão, salada de tomate e bife. Meia hora para um cochilo sobre os pelegos e o grupo segue para o segundo trecho do dia, de 24 quilômetros, até Entrepelado, distrito de Taquara. A chegada a Passo Fundo está prevista para o dia 30 de agosto.


Por Giovani Grizotti, RBS TV
Fonte: portal G1, RBS TV
Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: