Fonte: Zh.clicrbs.com

"Tchê, quem é o Pedro Ortaça? Faz tempo que canta? É da lida então? De que região ele é? Que músicas ele canta? E o tal do Timbre de Galo, vem de onde?”

Buenas indiada, tudo certo? Pessoal lá das Missões com certeza conhece muito bem o grande músico PEDRO ORTAÇA, certo? Então que tal contarmos um pouco mais da carreira deste baita artista do nosso estado, que canta as coisas simples da nossa terra, com estilo único!

CONTINUA A LEITURA e aproveita para conhecer um pouco mais sobre o PEDRO ORTAÇA che!

Pedro Ortaça nasceu em São Luiz Gonzaga, no ano de 1942. Começou a sua vida artística ainda quando muito novo, tocando violão e aprendendo com grandes músicos da época. O primeiro violão, foi comprado com muito suor, e não foi fácil realizar o pagamento, mas graças a ele começou a tocar em galpões, estâncias e até canchas de bocha.

Como a maioria dos artistas quando começam, Ortaça também teve um início difícil, onde a maioria julga artista como vagabundo... Homem mesmo tem que trabalhar! E tocar e cantar não é trabalho!! E o home está aí na luta até hoje, com mais de 120 músicas de sua autoria, sete discos gravados,  doze CDs e um DVD (que por sinal foi o primeiro em HD aqui no RS).

O galo não é de se entregar por pouca coisa che, da mesma forma que os índios que estavam não o fizeram! O povo da região das Missões tem uma “fama” de cantar músicas com letras tristes em sua grande maioria, principalmente pelo fato de os índios que lá viveram sofreram muito com as invasões de seu território, e até para cantar as injustiças que este povo sofreu em sua formação...
 
 
Fonte desconhecida

Com certeza tu conheça um punhado de músicas do Ortaça, e talvez nem se dê conta disso, como por exemplo Timbre de Galo:

"Rio Grande, berro de touro,
quatro patas de cavalo.
Quem não viveu este tempo,
vive esse tempo a cantá-lo
e eu canto porque me agrada
neste meu timbre de galo."

Ou então Bailanta do Tibúrcio:

“Vou conta de uma bailanta
Que existiu no meu pontão
Indiada do queixo roxo
Que nunca frouxou o garrão
Vinho curtido em barril
E cachaça de borrachão”

E sobre a primeira, a Zero Hora em Setembro de 2015 fez uma matéria especial, explicando a origem da música “Timbre de Galo”, que contamos aqui:

"O poeta é um repórter de seu tempo", costumava dizer Apparicio Silva Rillo. E manter acesas memória, identidade e cultura do povo gaúcho se tornou um lema para as letras do compositor, morto em 1995 devido a um câncer. Exemplo disso é o poema escrito por ele em 1988, que transporta quem não viveu em seu tempo a se sentir parte dele ao cantá-lo.

Timbre de Galo nasceu sob o título Como Sou. Os versos foram entregues ao amigo missioneiro Pedro Ortaça, que retirou estrofes, mudou o nome e ofereceu uma melodia que os ouvidos reconheceriam até se fosse possível retornar onde o Rio Grande começa, como sugere Rillo na canção.

— Certo dia, o Rillo me recebeu em casa e disse que tinha uns versos especialmente para eu musicar e gravar. Sentei na frente dele, só dei umas batidas na guitarra (violão) e já veio a melodia. Timbre de Galo é quase um hino ao Rio Grande — conta Ortaça.

O saudosismo nas palavras de Rillo reflete ações de um Rio Grande do Sul que já não existe mais, como aquele no qual os cantores expressavam, por meio da música, o que percebiam da sociedade.

— Os payadores (declamadores) desta terra andavam de pago em pago, cantando. Era como se fosse um jornal, que trazia as notícias de um mundo novo — explica Ortaça.

Aos mais resistentes às tradições, Timbre de Galo lembra que as cidades de hoje foram forjadas a partir das estâncias de outrora, sem que a condição urbana anulasse a vida do homem do campo. Segundo Ortaça, é uma maneira de não esquecer os homens que "formaram as fronteiras do Estado pelas patas do cavalo".

— E se me chamam de grosso, nem me bate a passarinha, nem me preocupo — brinca.

Mistura de índio guarani, português e espanhol, "que só se comunica por sinal de fumaça", como ele próprio define, "Dom" Ortaça é o único dos quatro “troncos missioneiros” ainda vivo.

Na década de 1960, ao lado de Jayme Caetano Braun, Cenair Maicá e Noel Guarany, todos da região das Missões, idealizou um modo de expressão que pudesse representar o cancioneiro guaranítico. Além de mudar os acordes convencionais dos instrumentos, o quarteto propôs denunciar injustiças sociais e protestar contra elas.

— Achamos que, quanto mais rica fosse a música, mais penetração ela teria no Brasil e fora dele. Aqui nas Missões se formou o Rio Grande do Sul. Viemos de uma raça que não se entrega por nada. O músico não deve cantar só flores, mas também a realidade de seu povo — justifica Ortaça.

A defesa das etnias indígenas e dos Sete Povos das Missões rendeu a Pedro Ortaça, em 2008, o título de Mestre das Culturas Populares, oferecido pelo Ministério da Cultura. Cinco anos antes, indicado pelo ex-governador Olívio Dutra, representou o Estado na Esplanada dos Ministérios durante a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


Fonte: jornal Zero Hora e portal Estânvia Virtual
Para ver a matéria original, clique aqui.
Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: