Grid

GRID_STYLE
FALSE
TRUE

Custom Header

{fbt_classic_header}

Últimos chasques

latest

Quem foi Jean-Baptiste Debret

Um dos mais importantes pintores da história que esteve no Rio Grande do Sul. Conheça quem foi Jean-Baptiste Debret. Entre Abril e Mai...


Um dos mais importantes pintores da história que esteve no Rio Grande do Sul. Conheça quem foi Jean-Baptiste Debret.

Entre Abril e Maio de 2017, em plena primavera européia, cruzamos em Paris, na França, onde nos hospedamos por uma semana em um apartamento térreo, aconchegante, num dos prédios bem característicos, localizado no clássico “Bairro de Montmartre”, bairro famoso, geralmente frequentado por grandes escritores, diversos modelos, bailarinos e pintores conceituados, como Degas, Cézanne, Monet, Van Gogh, Renoir e Toulouse-Lautrec, onde, inclusive, se encontra a “Basílica do Sagrado Coração” (de “Sacré Cœur”) e o “Estúdio de Picasso”, ao endereço da “18th Arr. Buttes”, no caminho para o “Moulin Rouge” (também localizado no Bairro).

Cerca de quadras de onde estivemos, no mesmo Bairro, localizava-se, ao número 20 da “Avenida Rachel”, o também famoso “Cemitério Norte” (“Le cimetière du Nord”), inaugurado em 1825, conhecido também por “Cemitério de Montmartre” (“Cimetière de Montmartre”). Um Cemitério gigante, do tamanho de um quarteirão inteiro, em pleno movimento de Paris. Tão grande que cruza uma avenida por cima de si, contendo cerca de 11 hectares e mais de 20000 concessões, crescendo esse número ano após ano.

Nele, nada mais nada menos, se encontra “le camp” de “Jean-Baptiste Debret” (18 de abril de 1768/28 de junho de 1848), pintor e desenhista, nascido e falecido em Paris, defensor das idéias de “Napoleão”, e enviado ao Brasil em 1816, junto à “Missão Artística Francesa”, logo após a derrota napoleônica (num duro golpe aos artistas neoclássicos, que perderam o principal pilar que os sustentava).
Jean-Baptiste Debret

Debret produziu uma vasta obra sobre o Brasil, retratando os povos, os costumes, o povo e os importantes fatos históricos que cercaram nosso país. Sua obra registra a cultura e os costumes, de Sul a Norte, no início do século XIX, representando a vida da população nas ruas e no ambiente rural e doméstico, os indígenas de várias etnias e regiões, assim como o trabalho cotidiano, mostrado claramente (e dizem que propositalmente, de acordo com suas ideologias) o sofrimento dos escravos.

Detalhes não passam em branco em suas obras, e nos servem como ensinamentos e motivos de mais pesquisas sobre o pintor, como o fato de “escravos livres” andarem sempre calçados, enquanto os “escravos cativos” eram retratados sempre de pés descalços… Prática comum aos costumes da época.

A cultura Biriva também era muito bem retratada por Debret, mostrando os homens que vinham das Minas das Gerais e da Província de São Paulo, para comprar mulas nas estâncias jesuíticas de Cordoba, de Entre-Rios, do RS e do Uruguai, e assim retornando, cerra acima. Sempre eram homens com chapéus de palha (muitas vezes com as abas amarradas acima da copa, por tiras de tucum), sempre de botas fortes (ausente do uso das botas, ditas de garrão) e sem lenços identificando ideologias, partidos ou pensamentos em comum.

Em 1827 Debret deixa o Rio de Janeiro e empreende sua única grande viagem por terras brasileiras, entrando por São Paulo, cruzando pelo Paraná, Santa Catarina (confeccionando cerca de 100 aquarelas, dessa viagem), até desembocar no nosso Rio Grande do Sul. E, mais ao Sul, ai sim, começam a aparecer os tipos Gaúchos, nos traços de suas telas… Vestindo, aí sim botas-de-garrão de vaca ou de potros boleados campo fora, chapéus de copas altas, costumes e faces hibridas entre o homem branco e o indígena charrua ou minuano… Junto às suas práticas faeneiras, de cortar jarretes e tombar gado chimarrão, para a faca fazer a sua vez, já no chão.

Várias cenas do Rio Grande do Sul foram retratadas, como a: “Vila de Torres” (com vista de cima do morro); a cidade de Jaguarão (que era ainda um acampamento militar português); os campos de São Francisco de Paula (com seus pinheirais); a Igreja de Nossa Senhora Triunfo em Santa Amaro (mesma locação do clássico filme “Um Certo Capitão Rodrigo”); a cidade de Osório (de costas pro mar e tendo à frente o morro da Borussia); as Charqueadas de Pelotas (e os varais de carne seca); São Pedro do Sul; o Mapetuba; Santo Antônio da Patrulha; vistas diversas de Rio Grande; as “Torres” da cidade de Torres (com vista do mar para a praia); etc. e etc.

Há também aquela pintura pitoresca, com vista de Paranaguá, que pesquisadores garantes que é, na verdade, uma vista de Porto Alegre antiga (mostrando os dois moinhos, que existiam no Bairro Moinho de Ventos, a Igreja Matriz, o Teatro São Pedro, o antigo salão “A Bailanta”, etc.).

Não se sabe a data de retorno de Debret, podendo ser em 1827 mesmo, ou ainda em 1828, observando a data de suas aquarelas. Porém, Debret retornou do Rio Grande do Sul para o Rio de Janeiro já de navio.

É a história do Brasil, sem fotografias, mas realmente de igual valor, em traços das mãos de um francês quase fugido…

Na campa, talhada nas pedras de granito do túmulo de Debret, existem os escritos:
“Aqui, repousa Jean-Baptiste Debret, sócio correspondente da classe de Belas Artes do Instituto da França. Professor da Academia Imperial do Rio de Janeiro. Cavaleiro da Ordem de Cristo. Nascido em Paris, em 18 de Abril de 1768. Falecido em 11 de Junho de 1848. Elisabeth Sophie Desmaion, sua esposa. Nascida em 22 de Março de 1775. Falecida em 11 de Janeiro de 1848.“

 

Pelo tamanho imenso do Cemitério, e pela falta de informações para se percorrer, com praticidade, os 20000 túmulos existente nos 11 hectares, chegando diretamente à “Campa de Debret”, se tornava inviável sua visitação, em um curto espaço de tempo. A visitação ficou pra uma próxima oportunidade (que ainda virá), quando, até lá, colheremos maiores informações sobre o local e seu caminho exato.

Mas fica aqui o registro, de que estivemos bem perto da nossa própria história, no outro lado do mundo, onde os mesmos que aqui são (muito ou pouco) reverenciados, também são lembrados e exaltados.

Afinal, Debret foi pintor na Corte de Bonaparte, deixando obras inclusive no “Musée du Louvre” e no “Palácio de Versalhes” (estas, já pinturas visitadas pessoalmente).

Para ver as fotografias, clique aqui.
Fonte: portal Estância Virtual

Nenhum comentário