Page Nav

HIDE
GRID_STYLE

Post/Page

Weather Location

Classic Header

{fbt_classic_header}

Header Ad

Últimos chasques:

latest

Editoral Galo de rinha, por Nairo Callegaro

Porque na rinha da vida
      Já me bastava o empate
      Pois cheguei no arremate
      Batido, sem bico e torto...
      Pois só me resta o conforto
      Como a ti, galo de rinha,
      Que se alguém dobrar-me a espinha
      H…

     Porque na rinha da vida
      Já me bastava o empate
      Pois cheguei no arremate
      Batido, sem bico e torto...
      Pois só me resta o conforto
      Como a ti, galo de rinha,
      Que se alguém dobrar-me a espinha
      Há de ser depois de morto!!!
 
Com estes versos do saudoso missioneiro Jaime Caetano Braun, presidente do primeiro Conselho Coordenador do Movimento, em 1959, escrevo estas linhas no dia de hoje - 30 de janeiro, data do seu nascimento, e dia do Pajador.

Este poema me traz à memória a luta contínua que devemos estabelecer nesta vida para fazermos valer os objetivos pelos quais lutamos e nos quais acreditamos. Saímos de um congresso concluindo que o grande debate no campo das ideias deve ser reestabelecido, que proposições não devem ser posições de grupos, disputas pessoais. Entendemos que nosso Movimento foi construído em nossos congressos com discussões em nível capaz de elevar nossas ideias a um crescimento coletivo e individual. Que não devemos apelar pelas amizades para levarmos temas às discussões, mas sim à sua importância.

Mas esta “Mudança“ é uma questão de tempo e conscientização. Acredito que estamos no caminho desta retomada, afinal este Movimento deve ser um organismo vivo e pensante com todos, por todos e para todos. As críticas sempre estão de plantão quanto aos movimentos que estamos fazendo e o entendimento às vezes não é o caminho desejado, pois nem sempre atende a outros interesses, escusos.

O importante é que devemos lutar conforme nossas convicções e nossos ideais, acreditar que pode ser feita esta retomada, oportunizando de uma forma horizontal e atingindo a todos. Aceitar o contraditório é nosso grande desafio como seres humanos é um exercício que poucos são capazes de fazer. Mas, reitero, acredito que estamos no caminho.

Um ponto muito positivo e gratificante foram os jovens assumirem novas posições, administrarem, irem para o debate, aprenderem a exercer as discussões, estabelecendo um novo momento de amadurecimento e crescimento, oportunizando o surgimento de novas lideranças, não só aquelas que me seguem mas também as que me criticam e fazem com que aprendamos juntos.

Ambas as posições devem ter as mesmas condições, pois desta forma ganhamos nós, o coletivo, e o Movimento volta a ser revigorado e fortalecido.  Saímos com a reflexão de que podemos fazer diferente, que o entendimento está claro e próximo e que podemos ser um agente transformador em nossa sociedade, um agente agregador, como principal objetivo pelo qual fomos criados. Despertando posicionamentos, soluções, mentes a pensar que tipo de movimento nós queremos: só de disputas ou de fortalecimento de posições que nos levem à compreensão de uma nova construção?

Estamos vivendo em um momento de grande superação, em que a união, o entendimento, a harmonia e a humildade são ingredientes fundamentais para esta caminhada. Não podemos nos afastar do entendimento, a sociedade pede e nós podemos fazer.

Ao começar estas linhas com os versos do poema “Galo de rinha”, reforço que jamais vou abandonar minhas convicções e estas sempre serão de uma construção coletiva, para todos e nunca de poucos, e que jamais desistirei, por maior que seja a força contrária.

Os ideais, os jovens e os sonhos coletivos são os principais norteadores de uma sociedade mais justa e plural.  “E se alguém me dobrar a espinha há de ser depois de morto”.
 
Nairo Callegaro
Presidente do MTG

Nenhum comentário

Ads Place