Tropeirismo: O Burro e a Mula no folclore - parte I


Segundo Luiz Antônio Alves e Sergio Coelho de Oliveira, em seu livro, o linguajar tropeiro, o burro e a mula pelo tempo que viveram ao lado do homem, servindo-lhe fielmente, são animais que mais aparecem no folclore, como personagens de palavras figuradas, ditados e provérbios. O que encontramos na "boca do povo"?

Burro - pessoa de pouca inteligência. Uma fama injusta, já que o burro é um animal inteligente.
Burro de carga — pessoa trabalhadora demais.
Metido à besta - é o cara que quer ser.
Caveira de burro - é azar.
Coice de mula — ação violenta e vigorosa.
Pai dos burros - dicionário.
Grande pra burro - expressão de grandeza.
Dar c'os burros nágua — ser mal sucedido.
Burro velho também gosta de capim novo — é o homem de idade se engraçando com menina nova.
Burro amarrado também pasta - é o homem casado que pula cerca.
Quando eu quiser falar com burro, bato na cangalha - é a advertência que se faz a um intrometido
Se ferradura desse sorte, burro não carregava carga — esse provérbio ironiza a crença de que ferradura dá sorte
Picar a mula — ir embora, partir,
Colocar o burro na sombra - acomodar-se.
Teimosa como uma mula - mulher teimosa.
De tanto pensar morreu um burro - advertência que se faz a uma pessoa, que demora em tomar uma decisão.
Burro velho não aceita freio - não adianta querer mudar os hábitos de uma pessoa de idade.
Burro velho não pega trote - significado idêntico ao anterior.
Quando um burro fala, o outro murcha a orelha - ditado dirigido às pessoas que se intrometem na conversa dos outros.
Não se deve confiar em mula tropeira e nem em mulher festeira -uma advertência.
Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte é burro ou não tem arte — uma constatação.
Burro e carroceiro nunca entram em acordo - é uma crítica ao carroceiro, que é teimoso também.


Fonte: blog do Rogério Bastos

Postar um comentário

[blogger][facebook]

Italo Dorneles

{picture#https://scontent.fcwb2-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/20031980_1559156280771539_4826566830380784332_n.jpg?_nc_cat=0&oh=31056e35fc0ba042b61a3b826bd6d603&oe=5BD0DC01} O editor Ítalo Oliveira Dorneles é gaúcho, natural de Canguçu e hoje residente e domiciliado em Arroio Grande. Advogado, atua nas mais diversas áreas do Direito. Apaixonado pela cultura gaúcha, já participou (como integrante e ensaiador) de diversos grupos de danças e também participou de festivais de declamação. Desde 2008 edita, administra e mantém o PROSA GALPONEIRA. {facebook#https://www.facebook.com/italo.dorneles} {twitter#http://twitter.com/italodornelesrs} {google#https://plus.google.com/+ÍtaloDorneles} {youtube#http://www.youtube.com/c/%C3%8DtaloDorneles} {instagram#https://www.instagram.com/italodornelesrs}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.