Exposição que inaugura dia 06 de novembro exibe a atual produção do artista em monotipias e xilogravuras, nas quais a cor ganha destaque

"Relevos Oníricos" dá título à exposição que o artista plástico Antônio Gerbase inaugura no próximo dia 06 de novembro, segunda-feira, às 19h, na Galeria de Arte Paulo Capelari, em Porto Alegre. A individual reúne 21 peças na técnica de monotipia e quatro xilogravuras, em um total de 25 obras de médios e grandes formatos, que tem como tema predominante as montanhas. Paulo Borgato Olszewski assina a curadoria da mostra, que permanecerá em exibição até o dia 24 de novembro.

A atual exposição de Antônio Gerbase é resultado de um processo artístico iniciado há cerca de 10 anos e que nos últimos cinco tem se intensificado. Gerbase teve atuação por muitos anos como médico da Organização Mundial da Saúde (OMS) na área de AIDS e DST. Fora do Brasil desde 1991, mora em Genebra desde 1994, tendo desenvolvido uma ligação próxima com os Alpes, tão presentes na Suíça e nas vizinhas França e Itália. Atualmente, divide seu tempo entre trabalho de saúde pública internacional, seu chalé nos Alpes próximos a Genebra e em Porto Alegre. Pode-se cruzar a trajetória do profissional de saúde publica global com a sua produção de artista, na medida em que as vivências, internas e externas, do cidadão do mundo oferecem substância imagética (e estética) à sensibilidade do gravador e pintor. Por isso, em suas várias incursões pelo mundo, como atual consultor pela OMS, o Gerbase artista não dispensa seu kit de lápis, pincéis, tintas, aquarelas e guaches.

Antônio Gerbase fez seu aprendizado da observação aguda, de intensas e frequentes visitas aos museus do mundo, de seu espírito colecionador, de seu interesse pela historia da arte e do dialogo com outros artistas em suas frequentes andanças. Iniciou-se com intensa prática individual e solitária de desenhar e reinventar seu entorno, seja da natureza que o cerca, seja do obras de três artistas da virada do século 19 ao 20, os quais admira: Hodler, Valoton e Munch. O objetivo de atingir o essencial, a expressividade e a ironia é a difícil tarefa que ele se propõe a desenvolver. Tenta, não sem sofrimento, projetar o que tem dentro de si e produzir algo pertinente para as pessoas que o cercam. E para isto suas atuais interações com seus atuais mentores são fundamentais.

Com mais tempo em Porto Alegre, desde 2014, recebeu (e recebe), formação técnica regular de um naipe de reconhecidos artistas plásticos. Gustavo Freitas (xilogravura), Paulo Chimendes (litografia) Maria Tomaselli e Paulo Borgato Olszewski (pintura) e Marcelo Lunardi (gravura em metal), com o qual desenvolveu as monotipias desta exposição. O lugar de encontro é, na maior parte das vezes, o Museu do Trabalho, local especial e estimulante, onde imprime sua produção.

Nas 25 peças expostas, com seus relevos oníricos, a cor intervém a cada instante, de forma luminosa, revelando os muitos contrastes da paisagem e do olhar do artista. "Essa vida das Montanhas, Antônio Gerbase captou com maestria em suas aquarelas, óleos e xilogravuras. Estudou a geometria dos planos, sua arquitetura, as cores das montanhas e as cores dele. Porque a majestade de um monte, seu inesgotável volume com todas as suas dobras e nuances de cor faz a alma vibrar", afirma a artista plástica Maria Tomaselli.  Sobre o trabalho do artista também comentou o psicanalista Aldo Luiz Duarte: "A arte de Gerbase reflete mais a mente do que o olho, o que resulta na multiplicação de uma obra em muitas outras, singulares, dependendo de cada observador. O que mais se pode esperar de um artista?".


Sobre a monotipia

A monotipia é uma técnica de impressão que consiste na reprodução de um desenho ou mancha de cor em uma prova única. Trata-se de uma placa sobre a qual uma imagem é executada com a tinta adequada. Esta imagem é impressa, tornando-se a cópia única, sendo impossível ser obtido novamente um exemplar igual. Desta maneira, a monotipia situa-se entre as áreas gráficas e o desenho (ou a pintura).

Conforme Luise Weiss, "a monotipia, portanto, constitui-se de um processo híbrido, entre a pintura, o desenho e a gravura. Aproxima-se do gesto da pintura, da mancha de tinta, ou do traço, da linha; ao mesmo tempo possui características próprias da gravura, como a inversão da imagem. Apesar de o próprio nome esclarecer, mono (único) e tipia (impressão), ou seja, que se obtém de uma prova única, em alguns casos há a possibilidade de se conseguir mais de uma cópia, evidentemente cada vez mais tênue, mais clara, permanecendo apenas um "fantasma"/ vestígio da imagem".

Serviço:

O quê: Relevos Oníricos. Exposição individual de monotipias de Antônio Gerbase
Onde: Galeria de Arte Paulo Capelari (Rua Cel. Bordini, 665, bairro Auxiliadora), em Porto Alegre-RS.
Quando: De 6 a 24 de novembro. Visitação de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h, e aos sábados das 10h às 13h. Abertura dia 6/11, às 19h.
Quanto: Entrada franca.
Informações: (51) 3061.6768 | (51) 999 94 85 58
www.paulocapelari.com


Assessoria de Imprensa: Silvia Abreu (MTB 8679-4) - 23/10/2017
Fones: 51 997/6320145 (Oi) |982385577 (Tim)
Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: