Revolução Farroupilha, também chamada Guerra dos Farrapos, foi uma revolução republicana contra o governo imperial do Brasil.

Guerra dos Farrapos foi um conflito regional contrário ao governo imperial brasileiro e com caráter republicano. Ocorreu na província de São Pedro do Rio Grande do Sul, entre 20 de setembro de 1835 a 1 de março de 1845.

O Dia da Revolução Farroupilha é un feriado estadual no Rio Grande Do Sul, comemorado em 20 de setembro, para lembrar este movimento que foi tão importante para este estado.

As causas da Revolução Farroupilha

A província do Rio Grande do Sul tinha uma economia baseada na pecuária, com a criação de gado e produção do charque (carne-seca). Ao contrário da tendência da economia agrária do país, predominantemente voltada para à exportação , a província gaúcha produzia para o mercado interno, comercializando o charque – que era muito utilizado na alimentação dos escravos – em diversas provinciais brasileiras.

Os estancieiros gaúchos sofriam da concorrência do charque platino, produzido pelo Uruguai e Argentina, e que também era comercializado nas províncias brasileiras. Os impostos de importação do charque platino eram muito baixos, facilitando sua comercialização a um preço mais baixo que o charque gaúcho. O governo central do império, porém, nada fez diante das reivindicações dos estancieiros.

A crescente insatisfação e indignação da classe dominante do Rio Grande do Sul estimulou a uma aproximação com as forças políticas agrupadas no Partido Exaltado, também chamado de farroupilhas. Os revoltosos começavam a utilizar de pedaços de panos vermelho amarrados em alguma parte de suas vestimentas para mostrar que faziam parte daquela revolução, foi daí que ganharam o nome de Farrapos, devido a esses pedaços de tecidos.

Esse grupo político defendia a ampla descentralização do poder, através da autonomia administrativa das províncias e instauração do sistema federalista; e desejavam substituir a monarquia pelo regime republicano. Todas essas ideias e projetos políticos se adequavam amplamente aos interesses dos estancieiros gaúchos.

O inicio da guerra dos Farrapos

Em setembro de 1835, o principal chefe do movimento de revolta, Bento Gonçalves, comandou tropas farroupilhas que dominaram Porto Alegre, a capital da província do Rio Grande do Sul. O governo central reagiu imediatamente, mas não não conseguiu derrotar os rebeldes. A rebelião farroupilha expandiu-se e, em 1836, os rebeldes proclamaram a República de Piratini, também chamada de República Rio-Grandense. Bento Gonçalves tornou-se o primeiro presidente. Chegou a ser preso em combate e foi conduzido à Bahia, de onde conseguiu fugir e reassumir o comando do movimento farroupilha.

A proclamação da República Catarinense

Em 1839, o movimento farroupilha conseguiu ampliar-se. Forças rebeldes, comandadas por Giuseppe Garibaldi e Davi Canabarro, conquistaram Santa Catarina e proclamaram a República Juliana.

Durante a revolução farroupilha, a Marinha brasileira controlava os mais importantes meios de comunicação existentes entre os revoltosos, dessa forma, ela não permitia o acesso por mar à província no porto do Rio Grande. Os farrapos, sentiam necessidade de um porto, pois não poderiam avançar outras províncias, desse modo, pensaram imediatamente em uma solução. Os farrapos então conceberam a possibilidade de ocupar em Santa Catarina a chamada vila de Laguna, pois esta tinha grande importância no litoral.

Assim, comandados pelos líderes Giuseppe Garibaldi e Davi Canabarro, fizeram uma afoita travessia por terra, transportando dois barcos levados por carretas que eram puxadas por bois até o Rio Tramandaí. Tal audácia partiu da ideia apresentada por Garibaldi, o líder da tropa marítima e comandante dos navios, como uma alternativa mediante a impossibilidade de se locomoverem pela Lagoa dos Patos que estava sendo vigiada pela marinha.

Em 1839, durante o mês de julho, os farrapos conquistaram a vila de Laguna sem enfrentar muita resistência e fizeram a proclamação da República Juliana ou República Catarinense.

Fim da revolta dos Farrapos

Em 1840, dom Pedro 2º assumiu o trono. Com a intenção de pacificar o país e estabilizar politicamente o regime monárquico, o imperador decidiu anistiar os revoltosos com o intuito de pôr um fim aos movimentos de revolta e rebeliões. Mas a iniciativa não obteve o resultado esperado. A rebelião farroupilha continuou.

Para dar fim de uma vez por todas a revolução, o governo imperial nomeou Luis Alves de Lima e Silva, que viria a ser o futuro Duque de Caxias, para acabar com a revolta. Em 1842 ele assumiu o cargo de presidente da província e buscou formas de explorar as fraquezas dos farroupilhas. Uma de suas propostas foi a de conceder anistia geral além da reapropriação das terras confiscadas e a incorporação dos oficiais revoltosos ao exército nacional. Porém, achando que as propostas ainda poderiam parecer poucas, ele também ofereceu a libertação de todos os escravos envolvidos na luta.

Após três anos de negociações, muitas batalhas e um número muito grande de derrotas, os “Farrapos” se viram obrigados a aceitar a proposta de paz ofertada por Duque de Caxias, dando um fim a revolta no ano de 1845 com a assinatura do  Tratado de Poncho Verde, que ainda agraciava os estancieiros gaúchos com a criação de um imposto que lhes rendia 25% sobre toda a carne salgada que viesse da região platina, uma bela vantagem.

Em que dia é este ano o dia da Revolução Farroupilha ?

Para nao faltar os preparativos para celebrar esse dia importante da Revolução Farroupilha, nos deixamos-te este calendario oficial para cada ano.

Revolução Farroupilha 2015 : Domingo, 20 de Setembro 2015
Revolução Farroupilha 2016 : Terça-feira, 20 de Setembro 2016
Revolução Farroupilha 2017 : Quarta-feira, 20 de Setembro 2017
Revolução Farroupilha 2018 : Quinta-feira, 20 de Setembro 2018


Colaboração: Juan Dias
Fonte: portal Calendário Feriados Brasil
Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: