Poema e poesia - Conceito

por Carlinhos Lima

O que se declama: um Poema ou uma Poesia? A dúvida é recorrente, por isso vamos tentar ressaltar as suas diferenças e as suas similaridades.
Apesar de serem tratados por muitos como sinônimos, o uso dos dois termos apresenta diferenças:

- Poesia: Caráter do que emociona, toca a sensibilidade, sugere emoções. Utiliza imagens e, principalmente, metáforas. É a linguagem que se utiliza para escrever poemas.

- Poema: É uma obra em que há poesia. Geralmente construídas em versos e estrofes, tem início, desenvolvimento e final. Todo poema possui autor, chamado de poeta.

Em outras palavras eu diria que, enquanto o poema é uma obra literária escrita em versos, a poesia é a essência da linguagem nele contida, é a beleza, a criatividade, é o que se pode extrair de mais belo, mais sensível, cujos limites transcendem à lógica e vão em busca do sonho, da utopia.

Poema é o “objeto” poético, o texto onde a poesia se realiza. Pode ser rimado ou livre, isto é, sem métrica e rima; ou versos brancos, sem rima mas com métrica. Também pode ter um formato específico como o soneto, a décima, a quadrinha, o haikai, o terceto, a trova...

Um texto escrito em prosa, como é conhecida a escrita em linhas corridas, também pode conter poesia, desde que tal texto apresente um mundo mais expressivo, menos referente à realidade, que contenha imagens e metáforas. A distinção se torna por vezes complexa. A poesia pode estar presente tanto no poema, que é feito em versos, como na prosa, em linhas corridas. Exemplo: “Seus olhos, ao se abrirem, me fazem lembrar o sol nascendo; mas anoitece a minha alma quando te ausentas”. Isso é poesia em texto plano.

Também encontramos poema sem poesia:
“no alto daquele morro
passa boi passa boiada
eu ouço o som do berrante
pensando em minha namorada”

Enquanto o poema é um objeto literário com existência material concreta, a poesia tem um caráter imaterial e transcendente.

A poesia é um modo de ver o mundo; o poema é a expressão por escrito desse modo.

A poesia se encerra no poema e o poema liberta a poesia;
A poesia é como um rio, o poema como uma represa;
A poesia é o trigo, o poema é o pão;
Poesia é eternidade, poema é um grão do tempo;
A poesia é inalcançável, os poemas distâncias percorridas;
Só quem olha nos olhos da poesia é capaz de fazer um poema;
Só escreve poemas quem, mesmo não possuindo a poesia, se deixa por ela possuir;
“O poeta utiliza a poesia para fazer poemas”;
“O declamador utiliza o poema para fazer poesia”.


Fonte: blog do Rogério Bastos
Marcadores: ,

Postar um comentário

[blogger][facebook]

Italo Dorneles

{picture#https://scontent.fcwb2-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/20031980_1559156280771539_4826566830380784332_n.jpg?_nc_cat=0&oh=31056e35fc0ba042b61a3b826bd6d603&oe=5BD0DC01} O editor Ítalo Oliveira Dorneles é gaúcho, natural de Canguçu e hoje residente e domiciliado em Arroio Grande. Advogado, atua nas mais diversas áreas do Direito. Apaixonado pela cultura gaúcha, já participou (como integrante e ensaiador) de diversos grupos de danças e também participou de festivais de declamação. Desde 2008 edita, administra e mantém o PROSA GALPONEIRA. {facebook#https://www.facebook.com/italo.dorneles} {twitter#http://twitter.com/italodornelesrs} {google#https://plus.google.com/+ÍtaloDorneles} {youtube#http://www.youtube.com/c/%C3%8DtaloDorneles} {instagram#https://www.instagram.com/italodornelesrs}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.