Foto ilustrativa do blog Gauchismo Líquido

"Não costumo me manifestar sobre temas polêmicos, mas um me chamou a atenção e não pude ficar de fora: machismo no Tradicionalismo.

Já deixo clara minha posição: Não acho que o Movimento seja machista, pelo contrário!

Somos todos contra a violência contra mulher, mas também contra a violência de qualquer tipo que seja, contra homens ou mulheres.

Falando sobre nossa cultura: li o seguinte comentário por aí: "A cultura gauchesca é baseada em uma sociedade patriarcal, onde o espaço da mulher fica renegado ao segundo plano." Sim, se formos estudar, nossa sociedade foi comandada pelo homem, mas desde sempre falamos da mulher, mãe, guerreira, que cuidou da estância, dos filhos, dos negócios, que enquanto os homens estavam na guerra não deixaram a economia da Província decair. Toda história gaúcha passa por mulheres importantes e que não foram esquecidas por nenhum segundo (ou nunca ouviram falar de Anita?).

Concordo, em parte, com a questão da letra das músicas mas, a que aparece na matéria que li é do Tchê Garotos. É Tchê music, não é música gaúcha! Existem outras músicas com questões machistas, existem, sim, eu sei, não nego, já ouvi, acho errado, mas acho que são pouquíssimas. No tal estudo foi dito que encontraram 80 músicas (sendo que algumas foram mal interpretadas por causa do nosso linguajar típico), num universo ENORME de músicas...

Para mim, machismo e objetificação da mulher é "Eu vou pro baile procurar o meu negão
Vou subir no palco ao som do tamborzão
Sou cachorrona mesmo
E late que eu vou passar" (Valesca Popozuda - que se diz feminista)
e não "Como por encanto torna-se um palácio
Para a prenda rainha que me faz feliz
Essa prenda linda prendeu meu destino
Não sou mais teatino, veja o que ela fez"

Daí sou obrigada a ler: " São pouquíssimas mulheres que participam ativamente dentro do movimento"

Já estiveram em uma Ciranda de Prendas? Quem tem maior destaque em um evento a Prenda ou o Peão?
Não conhecem a Coordenadora da 21º RT? (já vi Coordenadoras mais competentes que muitos homens juntos hein...). Meu CTG já teve patroas, grande parte das patronagens são formadas por mulheres.

Já estudaram as danças tradicionais? o respeito pela mulher, o cavalheirismo, em alguma coreografias o homem não encosta na mulher, a intenção em todas as danças é chamar a atenção das Prendas; os Peões fazem tudo por elas.

Me desculpem, mas o local em que mais vejo respeito pelas mulheres é no Tradicionalismo e falo isso por experiência própria."


Do facebook de Milane Fonseca Vargas - Ex-Prenda do RS

Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: