Deve-se colher a macela na madrugada de quinta para sexta-feira santa quando ainda está serenada (lágrimas de Nossa Senhora)


A macela é uma erva da flora brasileira também conhecida por macela-do-campo, macelinha, macela de travesseiro, carrapichinho-de-agulha, camomila nacional etc. Popularmente, em algumas regiões, é incorretamente chamada de "marcela".

É um arbusto perene que atinge cerca de um metro de altura e que, na nossa região, costuma florescer no mês de março. As flores são amarelas, com cerca de um centímetro de diâmetro, florescendo em pequenos cachos. As folhas são finas e de cor verde-claro, meio acinzentada, que se destaca do restante da vegetação do campo.

Aqui pelo sul, as flores da macela costumam ser usadas como estofo de travesseiros para os bebês, por se acreditar que tenha efeitos calmantes.

Tais flores têm um aroma agradável e a infusão destas ou de suas folhas alivia dores de cabeça, cólicas e problemas estomacais.

Como uso externo emprega-se a macela na lavagem de feridas e úlceras. Também é utilizada para o clareamento de cabelos.

Em São Francisco de Paula a tradição da Colheita da Macela virou festividade. Milhares de motoqueiros, em romaria, dirigem-se a cidade serrana para participarem de espetáculos musicais e, na madrugada, colherem a planta que amarela os campos de cima da serra.

A colheita da macela na Sexta-feira Santa, antes do sol nascer, se deve a crença de que nesse dia a planta traga mais eficiência ao chá das flores.

No entanto, segundo os antigos, deve-se colher a macela na madrugada de quinta para Sexta-Feira Santa porque o seu orvalho representa as lágrimas de Nossa Senhora.


Festa da colheita da macela, em São Francisco de Paula


Fonte: blog do Léo Ribeiro
Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: