Buenas indiada, tudo certo? 

Falar sobre indumentária é sempre importante. Desde que fizemos o 1º Encontro Regional de Indumentária Gaúcha em 2016, este tema cada vez mais nos surge e merece ser discutido.

Baseado nas obras de Paixão Côrtes (que cita diversos outros autores que são autoridades quando o assunto é a Psicologia das Cores) é que trazemos aqui alguns pontos importantes e que sempre causam algumas dúvidas.

AS CORES E OS SENTIMENTOS:

De cara já temos uma baita citação do livro Gaúcho: Danças Trajes Artesanato, de João Carlos Paixão Côrtes:

“Assim como uma pessoa, diante de seu estado d’alma, prefere executar determina música ou escutar este ou aquele ritmo, as cores parecem falar também quanto aos nossos sentimentos, traduzindo, psicologicamente, o momento pessoal que estamos vivendo ou o estágio cultural coletivo que atravessamos.”

Ou seja, a cor da roupa que utilizamos no dia-a-dia, assim como o traje para dançar, refletem o que estamos sentindo. Claro, é importante comentar sobre a questão do ENART utilizar na sua maioria dos grupos trajes todos iguais, para representar um determinado personagem de uma determinada época, e por exemplo, uma bombacha azul marinho pode ser parecer excelente para um peão, porém outro não gosta... mas não vem ao caso essa discussão sobre todos trajarem iguais ou não, qualquer coisa é só imaginar a pilcha que vai para um baile e não pra dançar o ENART.
 
 

 


Simão Goldmann diz que "através da cor, conseguimos transmitir (pela pintura de ambientes e até mesmo pela nossa indumentária) mensagens que expressam sentimentos de desejo”, o que reforça essa questão da Psicologia de cada cor.

Neste mesmo livro, são citadas a diferença entre cores quentes e frias, bem como o significado de cada uma, então se queres mais informações, é só tu te cadastrar aqui no nosso site que irás receber o nosso E-book do Encontro de Indumentária.

COR PRETA PARA TRAJE:

Uma dúvida grande sempre está em torno da cor PRETA para a indumentária. É importante destacar que o Sr. Paixão cita Simão Goldmann, dizendo o seguinte:

“Psicologicamente, relaciona-se com o azar, maldição e perversidade. Nas civilizações ocidentais, tem significado de aflições, morte, tristeza e solidão. O preto é depressão, e quando misturado com qualquer cor, agrava as influências negativas”

E conclui:

“O nosso homem do campo, por ocasião da morte de algum ente querido, demonstra seu maior sentimento de tristeza vestindo-se de preto do chapéu às botas. Deixa crescer a barba e até os cabelos. Não ouve música, não participa de festividades, e passa meses sem beber um trago. Psicologicamente, esta cor demonstra o seu sentimento de tristeza.”

Logo, historicamente, o PRETO retrata o luto.

USAR PRETO ESTÁ CERTO OU ERRADO?

“Aaah mas o meu avô sempre usou lenço preto pra tudo, e nem por isso estava de luto, então ele tava errado?”

Claro que não... Cada um usa o que quiser no seu dia-a-dia. Se gosta do preto, usa o preto. Porém é importante sempre falar sobre as importâncias e costumes históricos, e historicamente, o preto puxava sempre para coisas negativas. Agora se tu quer saber se está certo ou errado o Preto para os concursos de dança, aí vai do que cada um está avaliando, mas lenço com certeza nenhum pode...


Fonte: portal Estância Virtual. Para ver outras notícias, clique aqui.
Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: