Buenas gauchada, tudo certo? 

Há algum tempo tem-se falado cada vez mais da importância de incentivar as crianças a participar dos CTGs pelos diversos fatores de desenvolvimento que a dança e o convívio dentro de uma entidade tradicionalista podem proporcionar.

Por acaso, nos deparamos com um texto escrito pelo Escritor, Professor e Tradicionalista Cristiano Barbosa, que retrata este exato contexto.

Transcrevemos então abaixo, na íntegra, o texto que foi publicado no site Dupla Notícia:

"Uma entidade Tradicionalista tem a obrigação de ser uma força viva dentro da comunidade em que atua. Deve ser administrada como uma instituição de ensino, oportunizando atividades no campo educacional, cultural e artístico. Preocupar-se com o ensino, a pesquisa e a difusão de valores é um de seus deveres.

Deve ser uma continuação do lar e um lugar onde as famílias se encontrem em convivência sadia, sem desvios de conduta, para serem polos referenciais de valores morais, éticos e familiares. 

É um referencial para aqueles que estão meio perdidos nessa sociedade capitalista, onde o que vale é o “ter” antes do “ser”. 

No ritual do mate, processa-se uma verdadeira escola de sociabilidade, compreensão e solidariedade. Nas invernadas artísticas e nos fandangos se transmitem importantes noções de estética e sociabilidade. 

Nos grupos mirins se opera a complementaridade das atividades escolares, ali a dança está voltada para o desenvolvimento global de um indivíduo. Uma criança que tem a oportunidade de participar dessas aulas, certamente terá mais facilidade para enfrentar as dificuldades que a vida apresenta, isso sem falar no desenvolvimento motor, resistência, coordenação, ritmo, equilíbrio, autoconfiança, e outras capacidades como: aumento da memória, intuição, atenção e observação. 

Nas Invernadas campeiras, ensina-se o zelo, cuidado e respeito aos animais, andar a cavalo melhora as dificuldades motoras e o emocional da pessoa, além do ato em si de montar e manejo final, desenvolvem novas formas de socialização, auto-estima e fortalecem o vínculo homem-animal.  

Defendemos valores não reconhecidos pela totalidade da sociedade: responsabilidade, honestidade e cumprimento de deveres. 

Estas referências nos diferenciam das demais entidades. 

“Não é um mero “reviver o passado”, mas “resgatar do passado, a esperança perdida”.
Barbosa Lessa.


Fonte: portal Estância Virtual
Para saber mais, clique aqui.
Axact

#ProsaGalponeira

O Prosa Galponeira é um portal voltado para a divulgação da cultura gaúcha, amplamente diversificado, trazendo notícias sobre os festivais nativistas, shows - agenda de artistas, rodeios, eventos em CTGs, MTG e CBTG, artigos culturais, histórias e personalidades marcantes da nossa cultura, entre outras informações e histórias. E-mail: prosagalponeira@gmail.com.

Poste o seu comentário:

0 comments: